quinta-feira, 22 de maio de 2008

MADRUGADA










MADRUGADA


Pela madrugada dentro, numa noite vazia de significado.
A vida é modificada, é sonhadora.
Vultos passeiam. A noite é tentadora

E mergulhamos na escuridão, num misto de cores estranhas.
Num ambiente de culto, que cativa,
Com um som avassalador, que motiva.

O corpo, a mente, a atingir o ébrio, uma espécie de fuga de libertação.
Uma evasão de sentimentos, de frustrações
Um conjunto de ideias, de emoções.

Dança-se até á saturação, percorrendo sonhos, criando mitos.
Com olhares desviados, a cultivar tentações.
Há passos inovadores, a chamar atenções

Pessoas a tentar matar a solidão, gastam horas simplesmente em vão.
Procuram consolo, uma companhia.
Buscam desesperadamente uma alegria

Inventam-se paixões momentâneas, cheias de emoção, de desejo.
Invadem-se caminhos proibidos.
Experimentam-se delicados sentidos.

Pela madrugada dentro, há pessoas a matar a solidão.
Mergulham na escuridão.
Dançam até á saturação


Out.1990
Enviar um comentário