sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

GRITA






GRITA



GRITA, Eu vou ouvir.
Os sentimentos que escondes
Explode. Mostra o teu querer
Expulsa. Evade todo o teu prazer


GRITA, nada é mais simples.
Do que unicamente pedir
Sem medo, sem orgulho.
O que desejas sentir


Ao gritar, irás expressar.
Vontades nunca imaginadas.
O fascínio das palavras.
A força dos sons.


GRITA. Eleva-te ás estrelas.
Percorre todas as delicias.
Escorrega nos teus sonhos.
Nos segredos mais queridos.


GRITA. Sou todo ouvidos
Ouvirei que sente o teu ser.
Sôfrego por não se realizar
Pensando que nunca iria amar.


Outubro 1990

domingo, 25 de janeiro de 2009

FOLHA BRANCA





FOLHA BRANCA
(SEM ELA NOTAR SEM A MAGOAR)


Tenho à minha frente, uma folha.
Uma folha branca
Calma, ela espera a violação.
Sem ela notar, sem a magoar

Olho para ela, volto a olhar.
Dá-me pena vê-la branca, vazia.
A tinta, correr-lhe-á pelo seu corpo
Sem ela notar, sem a magoar.

Brilhante a tinta sai da caneta
Inspiração do momento, de quem a comanda
Ideias, pensamentos, duvidas, vidas
Sem ela notar, sem a magoar

E ela sorri, sorri para quem a vê
A vê e a viu, branca, vazia.
(Ela) agora é alguém, subiu na vida
Sem ela notar, sem a magoar.

19/06/1986

QUEBRAR O SILENCIO

QUEBRAR O SILENCIO


Quebrei o silêncio
O silencio das minhas palavras.
Apaguei os sons
Sons que me confundiam.

As pedras estão seguras
Não desabam
A água continua limpa
Com sede a beberás

As luzes apagaram-se
Na imensidão do nada
Tudo voltou ao normal
Á rotina diária

Voltei a quebrar o silêncio
O silencio da língua
Apaguei os sons
Os sons de mim

18/06/1986

A NOITE DA CONQUISTA

A NOITE DA CONQUISTA


Após estas palavras
Te localizarei. Atarefado.
Irei esconder-te num local seguro
Lá iremos cultivar o nosso ideal.

Uma longa noite de prazer.
A imaginação foi-nos buscar
E levou-nos pelo seu corpo
E nós imaginando a nossa paixão.

Acabo de descobrir um jogo.
O jogaremos da próxima vez
Que algo nos toque fundo
E sentiremos, o nosso calor

O teu corpo sempre presente.
O mar, a planície, a montanha.
Tudo de difícil conquista
Como o teu amor.


14/01/1986

Excitar

EXCITAR

Posso pôr-te a delirar,
Com um simples movimento.
Num momento posso acabar.
Com todo o teu sofrimento.

Não te prometo o céu.
Simplesmente excitação.
Do querer, do poder.
Ser corpos em levitação.

Sensações, visões, distorções.
Alívios, suspiros, respirações
Pensamentos, Tormentos, lamentos.
Atracções, altas tensões.

Excitar-te é o meu instinto
Levar-te a sentir
Os poderes do teu corpo.
Num ser faminto.


Julho 1989