terça-feira, 17 de março de 2009

MIRAGENS




MIRAGENS



O som de uma onda
Um grito na madrugada.
E na areia molhada,
O sabor da água salgada

A noite, o vento, o mar.
Uma vaga miragem.
Uma ambição, uma desilusão
Um espírito selvagem.

Fabrica de sonhos,
De ideias excitantes.
Revoluções nas areias.
Vozes estonteantes.

Noite negra, escura.
Uma luz no horizonte.
A solidão do tempo.
No mar, só, perdura


Setembro/89
Enviar um comentário