segunda-feira, 4 de maio de 2009

A REALIDADE (DO RELÒGIO)




A REALIDADE (DO RELÒGIO)



Batem as horas no relógio.
Tu ainda não apareceste.
Aí , começo a imaginar.

Começo a sentir medo, por estar só.
Começo sentir-me pequeno, por estar só.
Só queria estar contigo.

Esta sensação que estou
Debaixo dum céu vermelho
Manchado de sangue.
Deixa-me sem forças.

E continuas sem aparecer.
Cada vez que te olho
Vejo um paraíso.
Onde estamos só os dois.

O relógio bate, certo como sempre.
E eu adormeço.
Com a realidade da vida
Com o bater do relógio.


Tick tock….tick, tock



20/01/1984
Enviar um comentário