sábado, 22 de agosto de 2009

ÁS VEZES

                       




                         ÁS VEZES


Ás vezes, queremos aquilo que não podemos
........................................................................
Ás vezes, sentimos o mundo fugir de nós.
.........................................................................
Ás vezes, deixamos a ilusão mandar na alma
..........................................................................
Às vezes, perdemos a fé de tudo, de nós.
.........................................................................
Ás vezes, sofremos aquilo que não merecemo
..........................................................................s
Ás vezes, fazem da nossa vida um inferno.
..........................................................................
Ás vezes, ficamos quase que loucos.
...........................................................
Ás vezes, ás vezes, ás vezes.
............................................

Paulo Ramoa
1992

MALDIÇÂO - (Parte II)

MALDIÇÂO (2ª Parte)


Desejo-te o inferno, por maldição.
O mais terrível dos castigos, que te faça sofrer.
Que o fogo te envolva, te transforme em fumo.
Que nunca sejas nada, que nunca sejas realmente amada.


Que a felicidade não te conheça, ela que se esqueça de ti.
Só em sonhos verás a esperança, ela que morra em ti.
Escolherás sempre o erro, influenciado pelo mal.
Seguirás de encontro aos becos, em acessos de egoísmo.

Desejo-te o inverno, uma constelação de nada
Lá poderás ver o significado de sofrer.
Sentirás no teu corpo, o poder do mal.
Serás atraiçoada, profundamente violada.

Um dia levantarás os olhos ao céu.
Irás orar por angústia, rastejar de dor, de pranto.
Irás implorar, chorar, gritar por alguém.
E verás que estás só, sem ninguém.

Desejo-te um inferno, por futuro
Um túnel sem fim, eternamente escuro.
Que a loucura se apodere de ti, sem perdão.
Que o tempo não te traga, que te enterre no passado.

Só te desejo o inferno, por maldição.

Paulo Ramoa
02/92