quinta-feira, 10 de junho de 2010

CONCLUSÕES NA NOITE



A cidade está iluminada
A chuva faz companhia
Um carro passa.
Pessoas correm, molham-se.



Encontro o calor da noite
Imaginado, em alguém querido
Sonha-se com carícias, beijos
Sentado nos bancos de uma avenida.



Tu és miúda, impecável, bonita
E quero que sejas
A minha miúda esta noite.



A chuva caí, mas na mesma
Procuro o calor.
O frio aperta
Anda-se para aquecer.



Concluo que ainda penso em ti
O que posso fazer é pouco
Concluo que ainda te quero
Sem eu te querer.



Cruzes no meu caminho
Tornados, tempestades
O vento empurra-me
Empurra-me para ti



Encosto o meu braço ao teu corpo
De novo aquela sensação
Aquele corpo leve, sedoso
Nenhum de nós quer ser o primeiro



A noite continua molhada
As pessoas regressam a casa
A rua fica deserta
Acho que vou fazer o mesmo


Paulo Ramoa
Novembro 1985
Enviar um comentário